quinta-feira, 17 de maio de 2007

like another




As lágrimas corriam-lhe desamparadas, pelo rosto pálido.

Mamãããããããã

Ouvia-se a vozinha tremida, ao fundo do corredor.

Medo? Raiva? Pânico? Ainda não. Era demasiado jovem para o sentir. Desalento.

“Mais um”. Apenas mais um. Um número? Um nome? Um corpo? São tantos…

Mamããããã



“Ele vai ficar muito tempo?”

Claro que vai ficar muito tempo. Tempo demais para quem anseia brincar, correr pelo campo, rir…

Muito e muito tempo, nem que seja pouco. Aqui todos os minutos contam. Todos os segundos são enormes. E os outros dias, que nunca mais chegam…

“Vivemos longe. Não temos posses para ficar…”

Pois não, mas ele não pode partir, o que se parte é o coraçãozinho que bate apressado, ao som do choro.

Mamããããããããã



Olá

Mamããããããããã

O aviãozito de papel aterra-lhe no colo. Por breves instantes os olhinhos húmidos observam-no. Que fazes no meu colo? Sai daí! Não te quero! Só à minha mamã.

Outro aviãozito aterra. O choro silencia-se nas lágrimas visíveis. Dois. Dois aviões de papel. E a mamã lá, do outro lado, a falar com o homem feio da bata branca.

Podíamos fazer uma guerra de aviões, queres? E um novo avião toca-lhe o narizinho de raspão, no seu voo picado. Não! Não foi um sorriso! Ainda não foi um sorriso! Foi só o projecto de sorriso que talvez venhas a construir, daqui a muito tempo… Deixa-me brincar contigo entretanto, deixa que o avião alivie a tua e minha dor…



“Porque vais lá? Aquilo é deprimente.”

Enganas-te! Deprimente é saber que têm de lá estar. Deprimente é saber que, uma qualquer mamã regressa lá, à terrinha, de coração apertado e ali fica ele mamãããããã. Porque há o trabalho, há mais filhos e há o dinheiro que escasseia para tanta boca. E agora, ainda há aquela estúpida massa que se alojou no corpinho desprotegido. Não sabes como é, pois não?!... eu sei…

“Como consegues ter tempo?”

Tempo? O que é o tempo??? Qual tempo?? Tu tens tempo??? E eu? Tenho tempo? E ele? Tem tempo? Quanto tempo?? Falta-te tempo para lhe dares tempo? Sabes quanto tempo é uma hora no tempo dele?

(A, 2006)



O cancro afecta cerca de 160 MIL CRIANÇAS POR ANO. 438 CRIANÇAS POR DIA.

Nos países menos desenvolvidos, pelo menos 60% das crianças afectadas por cancro morre! Nos países ricos cerca de 25%.

A forma mais comum de cancro nas crianças é a leucemia!

Os tratamentos, intervenções cirúrgicas, internamentos… têm custos elevados.


Já alguma vez pensaste em ser dador de medula óssea?

Já alguma vez pensaste em contribuir para os custos elevados que muitas dessas famílias não comportam e o estado muito embora os impostos que pagamos não suporta?

Já alguma vez pensaste que as palavras que escreves lhes podem ser oferecidas?

Ou simplesmente, já alguma vez pensaste em voluntariamente oferecer uma horita do teu tempo a fazer sorrir uma dessas crianças?

Estas crianças também precisam!

49 comentários:

sonia alves disse...

Vaidade

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e perfeita,
Que reúne num verso a imensidade!

Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!

Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!

E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,
Acordo do meu sonho... E não sou nada!...
oi este seu cantinho e maravilhoso amei o seu post ,ofereco o meu award venha nos fazr uma visitinha ta ? ficarie a espera optima quinta beijokinhas

Isabel disse...

Ao ler estes pequenos textos fiquei com um nó na garganta e sem saber o que dizer...
Porque será que só nós é que temos problemas, é só a nós que acontecem estas coisas, é só a nós que a vida passa rasteiras,é só a nós que chegam as enxaquecas, as constipações, as depressões,...; enfim, porque será que nós continuamos a olhar só para o nosso próprio umbigo?!!

Bjt

Miguel disse...

Fiquei aqui com a caixa dos comentários aberta não sei quanto tempo. Que dizer? - Olha, obrigado.

bjecas disse...

Sabes que eu sou uma espécie de super homem? Consigo ver malta por dentro pá!... Sou daqueles que são os primeiros a ver as maleitas alheias. E isso inclui a malta piquena. Apesar de já o fazer há muito tempo, a verdade é que às vezes lá vai um rosto de um miúdo comigo para casa. Pode até por uns tempos deixar-me a memória, mas muitas vezes volto a cruzar-me com ele e umas vezes as notícias são boas e outras vezes não.
E sabes que, mesmo passados sei lá quantos anos, ainda não me habituei?

\m/

v disse...

Eu continuo a dizer como o Miguel num comentário acima: olha, obrigado!
E contínuo a perguntar como o outro Miguel: como consegues?

Mário Margaride disse...

Olá,

É complicado o transplante de medula óssea. E nem sempre é fácil arranjar dadores compatíveis, infelizmente...

Deixo aqui um meu poema, que dedico a toda as crianças do mundo.

Beijinhos


SÓ TU DOCE CRIANÇA

Nas tuas mãos um papel
Pode ser de mil cores
Um soldado sem quartel
Ou um jardim com flores

Um avião que não pousa
Uma bala que não mata
Um cavalo sem arreata
Que não conhece senhor

Um irmão com quem tu brincas
À apanha, e ao pião
Um pão quente que tu trincas
Como só se trinca o pão

Pai que te faz companhia
Nos teus sonhos sempre belos
Uma mãe quente e macia
E que te afaga os cabelos

Tudo quanto a vista alcança
E possas imaginar
Que só tu doce criança
Consegues reinventar.

Francis disse...

Séria verdade, amiga.
Nada pode doer mais que o sofrimento duma criança...
Talvez nos juntemos um dia e criemos uma onda de solidariedade nos blogues. Porque não?

Negra disse...

Caro(a)s Bloggers,


A NEGRA TINTA EDITORIAL tem o grato prazer de lançar a obra “CÂMARA ESCURA (revelação), do poeta Joaquim Amândio Santos, com prefácio de António Lobo Xavier.

Sendo esta obra mais um trabalho nascido de um escritor cuja carreira foi lançada na blogosfera, a exemplo das edições previstas e possíveis no futuro próximo desta editora, será importante contarmos com a honra da presença de bloggers nas diversas acções de lançamento da obra.

Nesse sentido, solicitávamos indicação de morada ou preferência por receber o convite por mail para negratinta@gmail.com, bem como qual dos eventos escolhem para nos honrar com a sua presença.

Lançamento e Apresentações:

31 de Maio Funchal
8 de Junho Penafiel
14 de Junho FNAC Norteshopping, Porto
28 de Junho FNAC Chiado, Lisboa
5 de Julho FNAC Coimbra


Aproveitámos ainda para solicitar que qualquer manuscrito que entendam colocar à consideração desta editora para possível publicação, seja enviado por este mail, ao meu cuidado, estando previsto editarmos até 4 obras, nascidas na blogosfera, até Março de 2008.

Saudações Literárias,

Nélia Maria Pereira
Edições e Comunicação
NEGRA TINTA EDITORIAL

rascunhos disse...

Momento profundamente tocante que nos deixa um nó na garganta... e sem palavras ...

Inha disse...

Creio de os dois Miguéis já disseram tudo.


Excelente trabalho!


BFS*

Inha disse...

Arrependi-me e voltei cá.

Porque eu já vi. Já estive internada com uma menina que sofria de leucemia. Tinha 14 anos e era linda. Vi o cabelo cair-lhe e a tristeza que ela sentia. As dores. As náuseas. Cada refeição que ingeria era, minutos depois, vomitada. As lágrimas. O desespero dos pais.
Só queria saber se ainda está viva.

Jonice disse...

Usar este teu jeitinho gostoso de escrever (conheço-o há pouco, mas admiro muito) para trazer esta luz a este tema doloroso, é maravilhoso. Saio enriquecida daqui. Obrigada.
Beijinhos

Isabel-F. disse...

"mas porquê eles Senhor????????
"

é tão dolorosa esta triste realidade ...

obrigada pela tua visita lá ao meu sítio e pelo teu comentário ... espero que tenhas gostado e que voltes mais vezes ... a porta éstá aberta ...


beijinhos e bom fim de semana

Sapo Inquisitivo disse...

Acho que o importante aqui já foi dito, não posso nem devo acrescentar mais.

Há post novo!

antónio paiva disse...

................

Querida Amiga,


não tenho mais nada a acrescentar

sabes o que penso sobre isso

................

Beijo

Bigmac disse...

Foryou, tenho uma coisa dessas (criança da foto) igualzinho, só muda a côr dos óculos, são vermelhos, os anteriores eram melhores mas as ópticas não investem nos modelos para pequenas crianças. Um dia como quase todos, caíu na escola e partiu os óculos, no dia seguinte disse para a mãe na sua voz deliciosa mas triste: "Mamã, não quero ir à escola sem óculos", sentia-se feio sem os óculos e não via muito bem. Mas lá foi, no outro dia já estava contente outra vez.

Sorte a dele ter pai e mãe que o adoram e lhe dão o que precisa.


Beijos pela excelencia do post

Teresa Durães disse...

já pensei em doar quando a minha melhor amiga adoeceu. Ela tinha 14 e eu 16. Morreu. e outras pessoas da minha família.

Mas há mais doenças para além de cancro. Eu dou aquela percentagem do IRS a uma associação e pago cotas.

O cancro impressiona mas há outras doenças silenciosas que custam mais dinheiro, mais dá família e matam.

boa tarde

legivel disse...

... cumpro o meu dever de cidadania fazendo voluntariado numa associação de solidariedade social e onde, até há bem pouco tempo, integrei os seus corpos sociais.

Um texto para quem anda sem tempo, num tempo sem tempo para respirar, parar, ler e reflectir...

impulsos disse...

Coisas que por vezes nos passam ao lado... e não deveriam!
Há situações que só quem alguma vez passou por elas, é que consegue avaliar o sofrimento que causam.

Escreveste algo que nos deixa a pensar!
Não se pode ficar indiferente...

Beijo num impulso meu

mac disse...

Dia 3 de Junho, pelas 10H30, vai haver 1 corrida e caminhada a favor das Crianças com Cancro. Quem puder não deixe de participar.
O Instituto Português de Sangue, além de recolher sangue, também recolhe plaquetas para ajudar a quem tiver esta doença.
Ajudem!

mac disse...

Esqueci-me de dizer que a corrida é em Matosinhos.

Capitão-Mor disse...

Uma realidade bem deprimente e à qual viramos a cara muitas das vezes...
Bom fim de semana!

Cristina disse...

Um post muito triste, mas muito verdadeiro, gostei muito de ler, além de ter ficado triste, afinal pode acontecer a qualquer um de nós encontrarmos nesta situação triste...

Um bom fim de semana,'
beijinhu

Rascunhos disse...

Sei como é...

:-(

Maria disse...

Já pensei nisso tudo. Faço o que posso, e eu sei que é pouco. Muito pouco.
Mas não consigo fazer mais.
Por razões minhas. Porque VI, porque VIVI, porque não quero voltar a ver...
Porque não.

Um beijo em muitas lágrimas

Um Poema disse...

Ao ler, pela terceira vez, este texto, obrigo-me a deixar um comentário. Pobre, embora, mas devo-o. E porque o devo deixo-o.
Primeiro porque quero agradecer a visita e o 'toque', para o qual, em todo o caso, me vou fazer desentendido.
Depois porque quero pedir permissão para adicionar à minha página o endereço de "again and again for you and me".
Finalmente para dizer que, só para descobrir a grandeza da alma humana, que se revela num aviãozinho de papel, valeu a pena ter entrado na blogosfera.

Um abraço

Marco disse...

forU!
Obrigado pela visita em meu espaço e parabéns pelo "teu"!
Nossa!!! O seu post deixou-me sem fôlego... Faltou-me palavras querida! Sorry!!!
Beijos e carinhos...

Zé disse...

Maravilhoso, como só tu sabes fazer sobre este tema.

beijinhos

Rafeiro Perfumado disse...

Nem me atrevo a dizer nada, mesmo tendo o Sócrates ido oferecer-se como dador...

Entre linhas disse...

É tão triste,dura e dolorosa esta realidade da vida,e quão difícil arranjar doadores compatíveis,a fim de darem uma nova vida a quem necessita.
Bom fim de semana
Bjs Zita

poetaeusou disse...

*
Já alguma vez pensaste em ser dador de medula óssea?
*
não ?
pensa ...
*
xi
*

Tiago Mendes =DD disse...

Este texto fez-me pensar principalmente numa coisa. Na inveja dos homens. Todos nós fomos criados para nos entreajudar mutuamente, mas não é propriamente isso que fazemos :P
Muito construtivo, estás de parabêns! ;)

Alexandre disse...

Este foi o post que mais me atingiu nos últimos meses dos muitos que leio aqui na blogosfera. Podemos até nos inquirir «mas as crianças, porquê elas?», de nada adianta. Seja «culpa» ou não de alguém lá em cima ou noutro lado qualquer a verdade é que nada disto faz sentido... mas isto também não adianta, não vale a pena olhar para trás... mas sim mostrar a algumas pessoas que se sentem os donos do mundo e que atropelam quem se lhes atravesse no caminho, que um dia poderão ser eles... ou os deles...

O Turista disse...

Excelente post...
Dá que pensar sem dúvida...
Bom fim de semana,

O Turista - http://www.turistar.blogspot.com/

ALF O Extasiado disse...

Poxa, realmente dá uma dó...
A realidade nos maltrata também né.

Infelizmente doadores de medula são poucas.


beijos

Nanny disse...

Hoje senti-me egoísta e com um nó na garganta...

Arranjamos sempre mais uma hora para trabalhar, ou para preguiçar e raramente pensamos em tornar esse tempo mais útil para alguém pequenino que sofre...

Vou triste... comigo!

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Excelente post...
fico sem palavras perante a graneza do que aki é partilhado.
beijinhos

Anónimo disse...

Tenho andado por esta casa a ler. Escreves muito bem e com muito sentimento. Há alturas em que a tua escrita é tão forte que nos fazes pensar que são mesmo acontecimentos da tua vida. Excelente a forma como escreves.

mago dos sonhos disse...

Saudações!

Passei para desejar a continuação, de um agradável Domingo. Profunda realidade esta. "Nas montanhas gélidas do Norte, da profundeza dos mantos brancos de neve, majestosa força no meu corpo estremece, que meu batimento descompassa e minha carne entorpece..."

Sonhos Mágicos

ATIREI O PAU AO GATO disse...

Lindo, "foryou", linda a alma que assim escreve e com isso faz pelo alindar do amanhã que se namora para ornar pelo belo que o carinho sempre acrescenta.
É bom sabermos que existem pessoas assim, são luzes de esperança que cintilam nos horizontes dos olhos do quotidiano.
Uma semana tão encantada como este post que nos ofereces, "foryou".

Luís F. de A. Gomes

Likas disse...

Este é um dos piores pesadelos e injustiças da vida. Ver uma criança com cancro doi demais.

Um abraço apertadinho para ti

António Melenas disse...

Este é um problema candente e pungente,que todos deveriam ncarar com generosidade e premência. 8 anos) a minha medula já não serve para ninguém

Obrigado pela visitas e comentários no meu blogue
Abraço

MiguelGomes disse...

Faz pensar... muito... :(

Moura ao Luar disse...

Olha nao sei que te diga... ja fiz voluntariado com crianças e sei o quanto me preencheu cada sorriso...

sapiens disse...

dói ver seja quem for doente. sendo chegado ou não. tendo que idade tiver. mas sem, dúvida que olhar para uma criança e vê-la triste, sozinha, desamparada... e doente... num sítio que é, para ela, hostil, a enfrentar uma doença como gente grande. uma doença que lhe rouba tempo da infância, tempo da vida... é horrível.

e talvez não nos custe assim tanto "ceder" um pouco do nosso tempo. quem fica a ganhar... seremos nós.


[tens um dom. obrigada pela visitinha. prometo vir cá mais vezes =)]

*****

Esyath disse...

Foryou,

dar atenção e amor a uma criança é perpetuar a solidariedade e a capacidade de sermos realmente humanos.
As pessoas hoje em dia não têm paciência, não se importam com isso... Etc. etc. etc...
Uma pena que tudo fique nos eteceteras...
Tantos pais enloquecem e fazem de tudo para engravidar... Gastam fortunas... Outros apenas se importam com animais de raça e caros, típicos de madame... Gastam impérios com eles...
E não são capazes de dedicar um mínimo de compaixão e amor a uma criança?
Acho que a humanidade deveria se chamar... Crueldade...
Uma grande pena!
Pelo menos eu faço o que posso para mudar essa realidade...
Ensino inglês, literatura, redação e história a crianças carentes em dois orfanatos...
Para alguns pode ser tolice, para outros perda de tempo, para outros tantos, vontade de aparecer...
Na minha opinião...
É apenas a minha obrigação.
É o que eu apreciaria terem feito por mim, se eu estivesse na situação desses pequeninos.

Beijos (Des)conexos!;)

Cristina disse...

Olá for you,

Vem lá ao meu cantinho, tenho uma frase para decifrares
:)

soslayo disse...

Foryou:

Triste mas verdadeiro e, pela parte que me toca sempre fiz o que pude! Um beijo.

Um Momento... disse...

É muito triste quando a doença nos cumprimenta, nos abraça e nos consome
Um beijo...Desejando Bons Momentos...